68 jornalistas assassinados em 2022: FIJ alerta para crise persistente de segurança da mídia

A Federação Internacional de Jornalistas (FIJ)

A Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) divulgou sua lista anual de jornalistas e trabalhadores da mídia mortos em incidentes relacionados ao trabalho, pedindo um retorno ao sinal verde contra profissionais da mídia com um aumento no número de assassinatos em relação ao ano anterior. A FIJ registrou 68 assassinatos de jornalistas e trabalhadores da mídia em 2022, ante 47 em 2021, revertendo a tendência de queda registrada nos últimos anos. Também houve 11 mortes relacionadas a acidentes e doenças, incluindo três jornalistas e profissionais de mídia que morreram enquanto faziam reportagens sobre a Copa do Mundo de 2022 no Catar.

“Esses números mostram que não há fim para a crise de segurança no jornalismo e, ao contrário, representam uma ameaça real do retorno da temporada aberta aos profissionais de mídia em muitas partes do mundo”, disse o secretário-geral da FIJ, Anthony Bellanger.

A guerra na Ucrânia é responsável por 12 mortes na mídia, o número mais alto nos 21 países onde foram registrados incidentes mortais. Mas o domínio do terror das organizações criminosas no México e o colapso da lei e da ordem no Haiti também contribuíram para o aumento das mortes, com 11 e sete documentados, respectivamente.

Jornalistas na Colômbia enfrentam violência renovada, ameaçando tornar o país uma zona de matança para jornalistas e trabalhadores da mídia mais uma vez e destruindo as perspectivas de liberdade de imprensa após o acordo político para encerrar décadas de sangrenta guerra civil.

Na Ásia-Pacífico, a nova liderança nas Filipinas não deu trégua aos ataques mortais contra jornalistas com quatro assassinatos no primeiro ano da presidência de Ferdinand “Bongbong” Romualdez Marcos Jr, enquanto cinco jornalistas perderam a vida na crise política no Paquistão.

O Oriente Médio e o mundo árabe viram os assassinatos de profissionais da mídia aumentarem de três para cinco no ano passado, incluindo o tiroteio em plena luz do dia do veterano jornalista da Al Jazeera Shireen Abu Akleh. Quatro jornalistas foram mortos no Chade e na Somália, o que significa que a África registrou o menor número de mortes entre as cinco regiões da lista de mortos da FIJ, atrás das Américas (30), Ásia-Pacífico (16), Europa (13) e Oriente Médio e Mundo Árabe ( 5).

A FIJ renovou seu apelo por maior proteção aos jornalistas, alertando que o não enfrentamento das ameaças à segurança dos jornalistas pode comprometer o regime democrático sem a contribuição do jornalismo para informar o público sobre assuntos de interesse geral.

“O aumento nos assassinatos de jornalistas e outros trabalhadores da mídia é um grave motivo de preocupação e mais um alerta para que os governos de todo o mundo tomem medidas em defesa do jornalismo, um dos principais pilares da democracia”, disse Anthony Bellanger. “A omissão em agir apenas encorajará aqueles que buscam suprimir o livre fluxo de informações e minar a capacidade das pessoas de responsabilizar seus líderes, inclusive para garantir que aqueles com poder e influência não se interponham no caminho de um processo aberto e inclusivo. sociedades”, completou.

Para enfrentar a falta de ação e vontade política dos governos para combater a impunidade por crimes cometidos contra jornalistas, a FIJ pede uma Convenção Internacional nas Nações Unidas dedicada à proteção de jornalistas e profissionais da mídia.

Faça o download da lista de jornalistas mortos em 2022 da IFJ.

Tags: Brasil de Fato RS – Central Única dos Trabalhadores RS – CUT-RS – Federação de Jornalistas da América Latina e Caribe – Federação Internacional dos Jornalistas – Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ – FEPALC – FIJ – Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) – jornalismo – jornalistas – Jornalistas assassinados – Sindicato dos Jornalistas Profissionais do RS – SINDJORS – violência contra jornalistas
Cadastrada em 02/01/2023

Sindjors – Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul